Estratégias de Marketing para Pequenos Negócios em tempos de Coronavírus

Para aproveitar essa fase em que todos estarão mais preocupados em cuidar da sua saúde e da sua família, podemos sentar e aproveitar um pouco para planejar a estratégia do nosso negócio, não?

Porque uma coisa é fato: por conta das notícias sobre o Coronavírus, qualquer ação de qualquer conteúdo de qualquer empresa tendo sua atenção praticamente abafada.

Nessas situações você tem duas alternativas:

  1. Ignora que essa notícia está rolando – o que é um crime para quem busca a atenção digitalmente das pessoas
  2. Surfa essa onda e veja como seu negócio pode ser útil nesse processo

Durante essa crise, existem alguns cases legais de empresas que fizeram uma ação que beneficiou a sociedade e fortaleceu a marca da empresa:

  • Louis Vuitton parou a produção da sua divisão de perfumes para produzir álcool gel e doar para hospitais
  • iFood cria fundo de 1 milhão de reais para ajudar entregadores que ficaram em quarentena por causa do vírus
  • Uber também dá assistência aos motoristas que estiverem na mesma situação
  • Diversas Operadoras de TV liberaram canais fechados para não-assinantes
  • Google libera Hangouts Meet sem custos para até 250 pessoas
  • Burger King reforça medidas de higiene e doa parte dos lucros para o SUS
  • E até o PornHub liberou a conta premium na Itália para incentivar os italianos a permanecerem nas suas residências

O mais legal de tudo isso é que algumas ações foram puramente apoio à sociedade e outras foram belas estratégias de captação de clientes.

Vamos aos fatos:

  • Quantos de vocês já usaram o Google Hangouts Meet antes? E agora, cogitam ou não a possibilidade de usa-lo?
  • Operadoras de TV usam estratégia do modelo “freemium” com objetivo de encantar os clientes por aqueles canais que ele nunca assistiu para quem sabe incentiva-lo a fechar

Gente, eu sei do lado positivo e humano das empresas, nós também estamos fazendo a nossa parte da forma que podemos.

Entretanto, não dá para negar que surfar essa onda pode ser uma boa estratégia para manter seu negócio saudável em períodos de crise, não é mesmo?

E nessa fase você tem apenas duas opções:

  1. Aceita a crise
  2. Enfrenta a crise de cabeça erguida

Eu particularmente gosto de atuar no modo “ataque” e surfar essa onda.

Você tem que aproveitar esse momento para ações que podem gerar impacto de curto e longo prazo.

Explico: com ações de curto prazo você pode aproveitar essa oportunidade que está todo mundo na defensiva e fazer algumas ações que encantarão seu cliente.

Ações de longo prazo pois você, sem atendimento ao público, ao invés de aproveitar para ver uma série completa do Netflix, vai planejar com muita cautela os próximos passos do seu negócio.

Mas antes da gente falar um pouco dessas ações e dar alguns exemplos para os seus negócios, é importante você entender como que começa e como que termina uma crise.

Lembro como se fosse hoje de uma palestra que vi do economista Ricardo Amorim no final de 2017 onde ele falava que “estávamos no fundo do poço, poderíamos cavar mais um pouquinho, mas logo logo voltaríamos a crescer” e foi o que aconteceu.

Nessa mesma palestra ele falou que o que mudava a economia era a confiança das pessoas.

Se eu acho que as coisas vão melhorar, eu começo a fazer coisas pensando que as coisas vão melhorar.

Se eu acho que as coisas vão piorar, eu seguro todos os meus investimentos e fico quietinho até que essa fase negra passe.

E pensa comigo: acontece como se fosse uma reação em cadeia…

O governo para seus serviços, não lança mais editais, grandes prestadores de serviços do governo param de receber, rescindem contrato com seus fornecedores, que por fim demitem seus funcionários porque perderam grandes contratos, aquele funcionário que planejava comprar uma casa nova segura o investimento para pagar suas contas enquanto não arruma um novo emprego, o corretor fica sem comissão e já não vai trocar de carro, e por aí vai…

Tudo no crescimento de uma economia funciona na base da confiança.

Se você estiver absurdamente pessimista com toda essa situação, é completamente compreensível porque até eu que sou bastante otimista fiquei chocado quando fui ao supermercado vendo prateleiras vazias e todo mundo usando máscara.

Achei que essa coisa só acontecia na China ou outros países.

Só que não tem jeito, você precisa ir para o ataque. Capacitar-se. Redesenhar as estratégias.

Por que eu falo isso e por que essa é uma oportunidade de ouro para você atacar?

  1. Está quase todo mundo na defensiva. Ninguém tem coragem de investir em tempos de crise.
  2. As empresas estão fazendo home office e a produtividade fica mais flexível, quiçá mais baixa.
  3. Os clientes estão cada vez mais em cada e o dia inteiro plugado no celular e atentos à sua família e sua saúde
  4. O gatilho mental da crise se chama “escassez”, está todo mundo com sentimento de que “vai faltar” ou “não vai ser suficiente”
  5. Serviços considerados “supérfluos” deixam de ser o foco nesse momento

De acordo com a Pirâmide de Maslow (abaixo) em momentos de crise, as pessoas tendem a olhar para as questões da base da pirâmide.

Por esse motivo, se o seu serviço ou produto está no topo da pirâmide, pense em redesenhá-lo de forma que você consiga atender a base da pirâmide.

A melhor forma de você fazer isso é ajustando sua comunicação de forma que seu cliente fique encantado com você enquanto você gera valor nessa fase turbulenta.

Lembre-se disso: a Louis Vuitton não vai vender perfumes nessa época. Decidiram fazer uma boa ação, mas também fortalecer a marca doando álcool gel para hospitais.

De qualquer forma, o que eles poderiam vender nessa mesma época que atendesse questões fisiológicas e de segurança? Por que não comprar um álcool gel da Louis Vuitton? Chique, né?

Brincadeiras a parte, aqui é um breve exercício para você ver que nem tudo está perdido.

Se você faz grandes eventos, por que não fazer pequenas reuniões? E por que não fazer grandes eventos online?

Naturalmente você vai precisar de novas habilidades. Aproveite este tempo para se conectar a especialistas que podem fazer isso por você.

Da mesma forma, que se você vende produtos no varejo – por que não fazer entregas grátis para garantir que seus clientes não deixem de ser atendidos?

E se você tem uma loja de roupa, por que não deixar algumas roupas, de forma consignada, na casa das suas melhores clientes para elas provarem enquanto esperam esse tumulto passar?

Se você arruma ar condicionado, por que não ensinar as pessoas a limparem seus aparelhos nesse período onde a saúde é tão importante?

Sua empresa pode ser muito útil para muita gente.

Essa é uma tremenda forma de você ativar o gatilho mental da reciprocidade.

Se você ajudar uma pessoa a “sobreviver” durante uma crise, você jamais será esquecido ou esquecida.

Confia.

Da mesma forma que estamos completamente atormentados pelo gatilho mental da escassez que uma crise como essa gera, os demais gatilhos também impactam.

Em curto prazo, são essas ações que você pode fazer. De forma resumida:

  1. Rever seu mix de produtos ou serviços
  2. Mudar o foco da sua comunicação para a base da pirâmide de Maslow
  3. Não “mimizar” porque fecharam as portas do seu comércio ou diminuiu o fluxo de clientes
  4. Aumentar os investimentos em Marketing quando todos os outros estão diminuindo

Se você conseguir a proeza de fazer mais barulho que o Coronavírus para seu cliente ideal, você estará no caminho certo.

No longo prazo, saiba que em 15 dias todos voltarão às suas atividades normais e em 3-6 meses ninguém lembrará que esse vírus impactou nossa sociedade.

O empreendedor principalmente o brasileiro tende a vender o almoço para comer a janta. Ele não consegue imaginar como será a vida dele no dia de amanhã, quiçá no mês que vem.

Sempre na correria.

Agora, se você é esse tipo de empreendedor, deve estar mais desesperado ainda. Eu entendo.

Entendo porque já fui assim.

Aprendi minha lição, da pior forma.

Autoconfiança é bom para lidar com os desafios, não para atuar de maneira irresponsável.

Hoje a responsabilidade ainda é maior porque além de ser casado e ter uma filha, tenho por volta de 50 funcionários.

Não dá para tomar decisões na loucura.

É aquele momento que você drena seu fluxo de caixa (que você deveria ter criado para nos meses de abundância que tivemos até agora) para poder jogar na ofensiva e garantir os próximos meses.

Talvez você não venda nesse período (estou falando isso por precaução porque acho que é totalmente factível SE ajustado a oferta para esse momento), mas você precisa GARANTIR OS PRÓXIMOS MESES.

O problema da crise não é a crise em si, mas o que fazemos enquanto ela acontece.

Se você precisava falar com 10 clientes para vender um serviço. Na crise você vai precisar trabalhar um pouco mais. Talvez você precise falar com 15, 20 ou até 30 para vender o mesmo serviço.

Na crise, precisamos trabalhar um pouco mais duro para lidar com os altos e baixos.

Mas uma coisa você precisa entender: num mercado que retrai 20%, ainda temos 80% do capital disponível sendo negociado mercado afora.

Se temos 80% do dinheiro circulando, ainda temos muito trabalho a ser feito.

Mas como forma de incentivar seu planejamento e aproveitando esse período de baixa, segue algumas ações para melhorar sua estratégia de marketing no médio-longo prazo (porque vai precisar):

  • Planeje a sua estratégia de conteúdo influente levando em consideração uma mudança temporária nos hábitos de compra do seu cliente, mas tenha um plano B caso isso aconteça mais rápido ou mais devagar
  • Aumente seu investimento em tráfego pago nesse período de crise. Afinal, enquanto todos choram você deve vender lenços. Provavelmente a concorrência vai ser menor nesse período: acredite.
  • Aproveite este momento para cuidar da sua saúde física e mental. Empreendedor precisa aprender a lidar com crises, e essa é só mais uma.
  • Por fim, seja estratégico para surfar cada momento dessa crise. Use o timing das notícias para falar do seu negócio enquanto elas acontecem. Seu negócio pode informar ao mesmo tempo que gera valor e ao mesmo tempo que constrói desejo pelos seus produtos. Lembre-se: construímos desejo no subconsciente dos nossos clientes.

Espero que esse artigo seja mais motivador do que desmotivador. O meu intuito aqui era incentivar você a sair da zona de conforto e trabalhar o dobro mesmo que o governo tenha suspenso suas atividades.

Mas mais do que trabalhar de forma burra, meu intuito aqui era incentivar você a trabalhar de forma mais inteligente e focada no que pode gerar resultado para sua vida e seu negócio.

Torço para que essa crise seja passageira, mesmo com todos os desafios que ela proporciona.

Em tempo, convido você a conhecer uma ferramenta incrível que pode ajuda-lo a sair dessa crise usando o Instagram como principal fonte de captação de clientes:

http://paginas.agenciamito.com.br/kit-venda-mais

4.92 avg. rating (98% score) - 12 votes